terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Coreia do Norte Enfrenta Acusações de Canibalismo Devido à Fome no País.

R7

Reprodução/thesundaytimes.co.ukReportagem do Sunday Times aponta possível crise humanitária na Coreia do Norte
Relatos aterrorizantes de norte-coreanos devorando pessoas para saciar a fome — em alguns casos os próprios filhos — tomaram conta do noticiário internacional nos últimos dias. As informações expõem o desastre humanitário pelo qual o país oriental pode estar enfrentando.
Os primeiros relatos foram publicados no último domingo (27) pelo diário britânico The Sunday Times. O jornal compilou o trabalho de repórteres independentes que foram enviados à Coreia do Norte pela agência de notícias Asia Press, com sede em Osaka, no Japão.
A Asia Press informa que possui uma rede dos chamados “jornalistas-cidadãos” dentro da Coreia do Norte. Os “citizen journalists” (termo em inglês) são pessoas comuns que atuam como jornalistas, coletando informações e produzindo notícias.
De acordo com a reportagem do Sunday Times, um homem foi recentemente fuzilado no país por ter matado e devorado seus dois filhos, no que foi descrito como um "ataque de fome".
O diário informa ainda que a fome teria matado cerca de 10 mil pessoas no país somente em 2012.
Outras histórias similares foram descritas pelos jornalistas-cidadãos. Em um dos casos, um senhor desenterrou o próprio neto e canibalizou o corpo da criança para não morrer de fome. 
Uma terceira pessoa, “enlouquecida pela fome”, diz o jornal, ferveu o próprio filho para se alimentar.
As dezenas de entrevistas e relatórios coletados levaram a Asia Press a concluir que, somente em 2012, mais de 10 mil pessoas morreram por causa da fome no país comandado por Kim Jong-un.
A agência de notícias asiática compilou um relatório de 12 páginas com os relatos de canibalismo no país.
Um membro da empresa comentou a situação norte-coreana.
— É particularmente chocante os numerosos testemunhos que nos atingem sobre os casos de canibalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário